segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

CARIDADE




OBJETIVO GERAL  

Fazer que os evangelizados compreendam que a caridade não é apenas dar esmolas ou doar bens materiais, é também a doação de si mesmo em beneficio do próximo.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Fazê-los entender que caridade pode praticada em qualquer idade.

Reconhecer na caridade o caminho para a renovação espiritual.

DESENVOLVIMENTO

BIMBO E OS BICHINHOS DA FLORESTA

O macaquinho Bimbo morava num circo.
Um dia, saiu para dar umas voltas e tanto andou que chegou a uma floresta onde ficou perdido.
Andou, andou... De repente, disse:
–– Ah! que linda casinha!
De fato, encontrara uma bonita casa e teve vontade de entrar ali para descansar. Mas, pensando bem, achou que a casa não era dele. Logo, não deveria entrar.
Assim, Bimbo deitou-se debaixo de uma árvore e tão cansadinho estava que logo dormiu.
Dormiu, dormiu e não percebeu que os bichinhos da floresta ali estavam à sua volta; olhando para ele e dizendo:
–– É um menininho!
–– Não é, pois menino não tem rabo.
–– Mas olhem a roupinha dele!
Até que o Pica-pau, que andava por muitos lugares e conhecera muita gente e muitos bichos, bateu com o bico na árvore e falou:
–– Seus bobos! É um macaquinho vestido de gente.
E o Pica-pau bateu com mais força o bico na árvore para Bimbo acordar.
Bimbo abriu os olhos, assustado, e começou a chorar:
–– Quero voltar para casa. Eu moro no circo.
Os coelhinhos ficaram com tanta dó de Bimbo, que também passaram a chorar.
Então, o Pica-pau disse:
–– Já é muito tarde para você voltar para casa. Se a minha casa fosse grande, eu o convidaria para dormir lá.
— Ora, ora Pica-pau! Por isso não, pois a nossa casa é grande e dá para ele dormir.
Quem falou assim foi o coelhinho.
O esquilinho também queria levar Bimbo para dormir na casa dele e o ratinho também.
Bimbo perguntou:
–– De quem é aquela casinha?
–– É nossa – disseram os dois coelhinhos.
–– Pois eu posso ficar ali e agradeço muito ao esquilo, ao ratinho e ao Pica-pau.
Quando o macaquinho Bimbo foi para a casa dos coelhinhos, o Pica-pau cortou uma porção de tábuas; o esquilo roeu cocos e fez uma porção de pregos; e, com esses materiais, os coelhos fizeram-lhe uma linda cama. Daí a pouco, chegou o ratinho com uma porção de palha para o colchão.

Bimbo foi dormir pensando nos amiguinhos que tanto o estavam ajudando.
Bem que a bailarina do circo tinha lhe dito que há muitos animais bonzinhos na floresta.
Bimbo dormiu muito bem! Quando abriu os olhos, viu... a bailarina do circo!
Ela sentira a falta de Bimbo e saíra a procurá-lo.
–– Vamos embora, Bimbo? – convidou a bailarina. – A sua casa é o circo e todos lá estão à sua espera.

Bimbo ficou indeciso pois já havia feito muitos amigos entre os bichinhos da floresta. Mas, o que fazer... A bailarina tinha razão. Precisava voltar para o circo. E, assim pensando, no dia seguinte, partiu com a bailarina, muito agradecido a todos que tanto o tinha amparado, no momento de grande necessidade.

1– Quem era Bimbo? 
2 – Onde ele morava?
3 – Que aconteceu com ele?
4 – Onde Bimbo adormeceu?
5 – Quem o encontrou?
6 – Quem levou Bimbo para dormir em sua casa?
7 – Como Bimbo voltou para o circo?




QUEBRA-CABEÇA























ALEGRIA



OBJETIVO GERAL

* Identificar, nas várias situações apresentadas, atitudes de alegria.

 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Fazer com que as crianças apreendam:

* A alegria é um sentimento bom que nos faz sentir bem. Sorrir é um gesto muito bonito e saudável.

* Ser alegre é mostrar que gosta da vida, do lugar onde mora e dos amigos.

* Em todos os lugares podemos estar alegres; na escola, em casa, nas brincadeiras e quando estamos com nossos amigos.

DESENVOLVIMENTO

Pegar um fantoche de palhaço e perguntar as crianças:
Quem é alegre aqui nesta sala?
O que você faz quando está alegre?
Vocês gostam das pessoas alegres?


Contar a história da alegria e para as crianças:

"COMO NASCEU A ALEGRIA"  (Rubem Alves)

Você pode não acreditar, mas é verdade: muitos anos atrás a terra era um jardim maravilhoso.
[...] Flores havia aos milhares. Todas eram lindas. Mas, infelizmente, todas elas eram igualmente vaidosas e cada uma pensava ser a mais bela. E, exibindo as suas pétalas, umas para as outras, elas se perguntavam, sem parar:
- Não sou a mais linda de todas? Até pareciam a madrasta da Branca de Neve.
Por causa da vaidade, nenhuma delas ouvia o que as outras diziam e nem percebiam que todas eram igualmente belas. Por isso, todas ficavam sem resposta.
E eram, assim, belas e infelizes.
No meio de tanta beleza infeliz, entretanto, certo dia uma coisa inesperada aconteceu: uma florinha, que estava crescendo dentro de um botão, e que deveria ser igualmente bela e infeliz, cortou uma de suas pétalas num espinho, ao nascer.A florinha nem ligou e vivia muito feliz com sua pétala partida. Ela não doía. Era uma pétala macia. Era amiga.
Até que ela começou a notar que as outras flores a olhavam com olhos espantados. E percebeu, então, que era diferente.
- Por que é que as outras flores me olham assim, papai, com tanto espanto, olhos tão fixos na minha pétala...?
[...]
- Acho que é porque eu sou meio esquisita.
E ela foi ficando triste, triste... Não por causa da sua pétala rachada, mas por causa dos olhos das outras flores.
[...]
Até que ela chorou. Coisa que nunca tinha acontecido com as flores belas e infelizes. A terra levou um susto quando sentiu o pingo de uma lágrima quente, porque as outras flores não choravam. E ela chamou a árvore e lhe contou baixinho:

- A florinha está chorando. E a terra chorou também. A árvore chamou os pássaros e lhes contou o que estava acontecendo. E, enquanto falava, foi murchando [...] O sol, sempre amigo e brincalhão, não agüentou ver tanta tristeza. Chorou também.
A florinha abriu os olhos e se espantou com todo aquele reboliço. Nunca pensou que fosse tão querida [...] E foi então que aconteceu o milagre. As flores belas e infelizes não tinham perfume, porque nunca riam. Quando a florinha sorriu, pela primeira vez, o perfume bom da flor apareceu. [...] E sentiram, pela primeira vez, que a florinha, lá dentro do seu sorriso, era doce, virava mel... De como a tristeza saiu do choro, do choro surgiu o riso e o riso virou perfume.A florinha não se esqueceu de sua pétala partida. Só que, deste dia em diante, ela não mais sofria ao olhar para ela, mas a agradava, como boa amiga.

 Questionar as crianças:

 De acordo com a história, como era a terra?

 Quem vivia nessa terra? Que animais? Que plantas? O que eles faziam?

 Será que todas as flores tem a sua beleza?

 Por que a florinha da história chorou?

 O que aconteceu com a florinha para deixá-la tão triste?

 E como foi que nasceu a alegria?

 O que era o sorriso da florzinha?

 O que significa a tristeza? E a alegria?

O que nos deixa triste? Quando ficamos tristes o que acontece?

O que nos deixa alegre?

Questionar:

   E vocês? Como estão se sentindo agora? Vocês estão felizes?
   Vocês já viram como ficamos bonitos quando sorrimos?
         
Mostrar um espelho para as crianças e pedir para que elas se desenhem alegremente

Dar imagem do palhaço para as crianças colorirem e colarem algodão no cabelo

CONCLUSÃO
A aula será considerada satisfatória se a criança perceber quem que é alegre, como deve tratar os seus amigos e como se fazer mais feliz
 


APOSTILA DA FEB

COLABORAÇÃO




OBJETIVO GERAL

Expor acerca do significado e da importância da colaboração na formação de um mundo melhor.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

• Compreender o significado da colaboração;

• Compreender o benefício para a sociedade ao se manter uma postura colaborativa.

• Reforçar a necessidade da colaboração no lar.

DESENVOLVIMENTO

 Escrever no quadro a palavra Colaboração e questionar o seu significado.

Explicar que colaborar é ajudar o outro nas tarefas, é auxiliar a realizar algo.

Pedir exemplos de COLABORAÇÃO.

Questionamentos:

• E quem tem preguiça de colaborar? É necessário força de vontade, disposição e

querer fazer a tarefa. Depois que começamos a auxiliar, a preguiça vai embora.

• Perguntar em que locais podemos colaborar e dar exemplos de cada local.

Podemos auxiliar alguém a realizar algo na família, na escola, no bairro, no

trabalho, com os amigos, no Centro Espírita, na rua, no trânsito, na natureza. Em

vários lugares diferentes.

História de Chico Xavier.  Após finalizar a história, questionar.


 • Como se sente quem colabora?

• Como se sente quem recebe ajuda?

• Lembrar quem emite boas vibrações: tanto quem auxilia, como quem a recebe.

Após falar da colaboração, recordar a importância de colaboração na família.

Dividir a turma em grupos, onde cada um irá encenar uma situação de colaboração no lar.

Após a apresentação, refletir sobre os sentimentos gerados quando recebemos colaboração de alguém.

Estabelecer um diálogo com os evangelizandos.

Perguntar:

• Quais as tarefas de cada um no seu lar?

• Como realizam as tarefas? Com bom humor, alegria, boa-vontade?

• É necessário que os pais ou responsáveis lembrem sempre ou insistam para que

a tarefa seja realizada?

• As tarefas realizadas são importantes? Por quê? Lembrar que todas as tarefas

realizadas no lar são importantes e por isso devem ser realizadas com amor e

dedicação. Essas tarefas nos educam e nos preparam para executar outras tarefas

que surgirão ao longo da vida.

• É necessário saber realizar as tarefas domésticas,porque um dia teremos nossa

própria casa e seremos responsáveis por ela. Se soubermos como devem ser

realizadas, poderemos verificar se estão sendo realizadas adequadamente, por nós

ou por quem nos auxilie.

• A família onde todos contribuem nas pequenas coisas é um lar tranquilo e feliz.

• Citar tarefas que devem ser realizadas no lar: retirar os pratos da mesa, arrumar

a própria cama, organizar os brinquedos, lavar a louça, separar o lixo, cuidar das

plantas e dos animais, guardar o material escolar, guardar roupas e calçados e

muitas outras.

• Lembrar que também colaboramos no lar com boas atitudes, tais como respeito,

amizade, paciência,etc.

Entregar folha em branco em que cada evangelizando irá desenhar sua casa e escrever compromissos

 de colaboração que irão realizar na próxima

- Prece Final

CONCLUSÃO

Mostrar a importância da colaboração para podermos assumir um grau maior de evolução pessoal e

social, também.

Vá com Deus

 Chico Xavier foi um importante médium, que psicografou centenas de livros.

Era também um homem muito bondoso e trabalhador. Emmanuel, Espírito

desencarnado, era o Espírito protetor de Chico Xavier nesta última reencarnação.

Emmanuel sempre dava bons conselhos a Chico, acompanhando-o e auxiliando-o

 Chico sabia muitas coisas sobre o Mundo Espiritual e sabia também que as

palavras e os pensamentos que emitimos contêm fluidos, energias. Se forem

palavras e pensamentos positivas, de amor, paz, serão emitidas boas energias; se,

porém, as palavras e os pensamentos forem de ódio, de vingança, ou expressarem

sentimentos negativos, as energias emitidas não serão boas.

Chico trabalhava no Ministério da Agricultura, como escrevente-datilógrafo

(fazia relatórios), em um lugar chamado Fazenda Modelo. Um dia, ele estava

indo para o trabalho, a pé, e estava com muita pressa, pois estava atrasado,

quando uma vizinha lhe chamou:

 - Chico, preciso da sua ajuda. Estou com uma dúvida e só você pode me ajudar.

 - Estou com pressa, disse Chico. Converso com você na hora do almoço. E

seguiu apressadamente. Ele deu cinco passos e ouviu a voz de Emmanuel:

 - Cinco minutos não vão prejudicá-lo. Converse com ela. Chico ouviu o

Espírito amigo e voltou. Ouviu o que mulher tinha a dizer, tirou a dúvida dela, e

para isso não precisou nem de cinco minutos. A vizinha ficou feliz da vida:

 - Muito obrigada, Chico. Deus lhe pague. Vá com Deus. Chico despediu-se dela

e começou a caminhar. Emmanuel, então, deu-lhe outro conselho: pediu que

Chico olhasse para trás.

 Chico olhou e pôde ver saindo dos lábios da mulher uma massa branca de

energia luminosa que vinha na direção dele. Aquela energia chegou até Chico e

como que o abraçou.

Emmanuel disse então:

 - Imagine se ao invés de “Vá com Deus”, ela tivesse ficado com raiva porque

você não parou para conversar com ela. Dos lábios dela, através de palavras e

pensamentos de ódio, talvez saíssem energias pesadas, escuras, prejudiciais a ela

e a você. Foi assim que Chico aprendeu que quando colaboramos com boa-
vontade, bom humor, emitimos energias positivas e também recebemos energias salutares.


http://peloscaminhosdaevangelizacao.blogspot.com.br/2014/10/colaboracao.html

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

DISCIPLINA - IMPORTÂNCIA DOS HORÁRIOS






AMOR AO PRÓXIMO




ATIVIDADE INTRODUTÓRIA/ MOTIVADORA

O que é o Amor?

1) Dividir a turma em dois grandes grupos.
2) Colocar os dois grupos frente a frente, enfileirados.
3) Eleger um líder em cada grupo, que deve posicionar- se no primeiro lugar da fila.
4) Escrever em dois papéis a palavra AMOR e coloca- los em um envelope de carta, dobrado, de modo que não possa ser lido de fora para dentro.
5) Pedir que os líderes leiam em silêncio a palavra, que coloquem o envelope no c hão e que tentem expressar o significado da palavra amor em gestos, olhares, etc ., sem abrir a boca.
6) Ambos os grupos tentam adivinhar...
7) Tudo em silêncio absoluto.
8) Quando algum evangelizando achar que já descobriu, ir até a Evangelizadora e cochichar em seu ouvido.
9) Confirmando que houve a certo, o evangelizando que acertou deve ficar a lado do líder e tentar, junto com ele expressar o conteúdo da palavra.
10) Continuar até que três crianças fiquem em frente a cada grupo (ou até que o tempo esteja esgotado).
11) Ao final, combinar que todos os que estão na frente digam, em alto e bom som, a palavra AMOR!


SUGESTÃO DE ATIVIDADE  - O Amor em Colagem

Objetivo:

Permitir a pesquisa e colagem de fotografias ou imagens que expressem o Amor em suas várias expressões.

Procedimentos:
a) Dividir a turma em 3 ou 4 grupos.
b) Distribuir cartolinas, revistas, tesouras e colas com os grupos.
c) Pedir que cada grupo escolha fotografias ou imagens que expressem o Amor em suas várias expressões.
d) Em grande grupo, abrir espaço para que os grupos apresentem o resultado de seu trabalho.

Obs: Cuidado com o tipo de revistas ou materiais que serão levados para a sala. Não utilizar materiais que possam ter cenas inadequadas, como cenas de violência.

Jogo: Fichinhas do amor

Dividir a sala em equipes e fazer perguntas sobre a aula. Quem acertar ganha uma fichinha.

A fichinha é um envelopinho com uma letra da frase: “Amai- vos uns aos outros”.

Fazer o número de jogos de envelopinhos equivalente ao número de grupos que pretende formar. Se dividir a sala em 03 grupos fazer 03 jogos de frases de modo que cada grupo possua uma frase completa (identificar os envelopinhos com cores e números). O vencedor é a equipe que primeiro conseguir todos os envelopes e montar a frase.

AVALIAÇÃO/FIXAÇÃO:
No centro da sala, um vaso com flores de cartolina. Em cada uma, uma balinha colada e uma
Pergunta/ tarefa/ surpresa. Cada um deve apanhar uma e oferecer a um amiguinho.
Perguntas:
- Qual o tema da aula?
- A quem devemos amar?
- Recite um poema
- Você deu sorte! Sem perguntas!
- Quando ajudamos alguém devemos contar pra todo mundo?
- Faça uma mímica sobre amor.
- Como podemos ajudar um idoso?
- É difícil ajudar quem nos fez algum mal?
- Alguém já viu alguém necessitando de ajuda e o ajudou? Conte como foi.
- Quem foi o maior exemplo de amor ao próximo que conhecemos?
- Devemos amar os inimigos que nos magoam?



quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

BONDADE

OBJETIVO GERAL

   Despertar na criança a compreensão de que a prática da bondade se inicia no lar e

se estende por toda a sociedade;

  Conscientizar as crianças de que ser bom é ajudar, amparar e respeitar todas as

criaturas, procurando atender a cada um dentro das suas necessidades;

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

 Incentivar a pratica do bem a todos os seres vivos (pessoas, plantas, animais, etc.)

 Compreender a bondade como um dos valores essenciais à formação de um

mundo melhor;

Refletir sobre as seguintes perguntas;

 O que é bondade?

 O que é ser bom?

 Quem se acha bondoso? Por que?

 O que podemos fazer para ajudar alguém?

Para fazer o bem é preciso muito dinheiro?

 Em seguida mostrar o vídeo sobre a bondade e levá-los a reflexão de que não

precisa de muito para ser BOM!

https://www.youtube.com/watch?v=khrOOE25JLQ

Fazer um balão grande com a palavra-chave (BONDADE) e vários balões

menores com as virtudes que levam a prática do (BEM) e outras palavras que não

possuem relação com a bondade. Distribuir os balões na sala e pedir que cada um escolha

um balão e estoure, os evangelizandos deverão encenar/falar uma Atitude para cada palavra.

BONDADE;

CARIDADE;

AMOR;

RAIVA;

PERDÃO;

EGOISMO;

ORGULHO;

FÉ;

AJUDAR AO PRÓXIMO;

ALEGRIA;

COLABORAÇÃO;

RESPEITO;

CARINHO;

MAL EDUCADO;

PREGUIÇA;

FALAR MAL DO AMIGO;

CONCLUSÃO

A bondade é o sentimento que nos faz ir em socorro dos nossos semelhantes que estão na necessidade, e ajudá-los segundo o nosso poder. A bondade  também é semelhante à graça porque é algo que não se pode conseguir sozinho, é necessário um outro.









LAR CRISTÃO





OBJETIVO GERAL

 Explicar o que é um lar cristão.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS 

 Descrever o que é um lar cristão;

 Dizer o que posso fazer para que meu lar seja verdadeiramente cristão.

Iniciar a aula, perguntando se as crianças sabem qual é a diferença entre uma casa

e um lar. Ouvir as respostas e explicar essa diferença.

* Casa: construção de madeira, palha, pedras ou tijolos e cimento, que nos abriga da chuva, 

do frio, do calor.

* Lar: lugar onde desenvolvemos/fortalecemos os laços de afeto com as pessoas que ali 

habitam; é onde se constrói os valores que farão a diferença em nossa vida, é onde 

aprendemos o respeito as diferenças, o perdão. É onde recebemos os amigos, onde moram 

nossos animais de estimação.

Conversar sobre os seguintes pontos:

- Descrever o que é um lar cristão.

- Perguntar quais são as atitudes que devem ser praticadas em todas as famílias para que

tenhamos um lar verdadeiramente cristão. Ouvir os comentários, reforçando a importância


de vivenciar os ensinamentos do Cristo no lar.

Realizar um jogo didático com o objetivo de fixar o assunto da aula .

Encerrado o jogo, dizer que cada membro da família precisa fazer alguma coisa para que seu lar

seja verdadeiramente cristão.

CONCLUSÃO

A aula será considerada satisfatória se as crianças entenderem o que é um lar cristão e disserem

qual a contribuição que podem dar para que seu lar se torne verdadeiramente cristão.


Dividir a turma em 2 ou 3 equipes, entregar uma cartolina para cada grupo.

Entregar pedaços de palavras embaralhadas para que eles montem o maior número de palavras

possível.

Palavras

FELICIDADE – AMOR – INCENTIVO – APRENDIZADO -

PACIENCIA – RESPEITO – AMIZADE – OBEDECER -

ORAÇÃO – CARINHO – HUMILDADE – COLABORAÇÃO -

UNIÃO – CONFIANÇA – PERDÃO – EDUCAÇÃO -

DESCULPAR – DEVER




segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

KIT FAMILIAR




O kit é composto por um pedaço de massinha de modelar, um chocolate, três cartões (um amarelo um vermelho e um verde), um calendário, um chá e uma carinha feliz.
No kit vem também o seguinte texto explicativo abaixo:
KIT FAMILIAR
Quem disse que não existe receita para ser um bom pai ou uma boa mãe? Pois quem falou isso, tinha razão: NÃO HÁ!
Cada pessoa em nossa família, mãe, pai, filho(a) é diferente; é um ser único, por isso o que existe são dicas e ingredientes para dar um tempero mais saboroso à vida em família.
INGREDIENTES QUE NÃO PODEM FALTAR PARA UMA VIDA FAMILIAR:
CHOCOLATE: representa as palavras doces e o diálogo que nunca pode faltar.
SORRISO: já dizia o pensador “O sorriso é a janela da alma”. Então se estás feliz, distribua sorrisos, mas se um dia as coisas ficarem difíceis e as palavras enganarem, abra um lindo sorriso e verás como tudo melhora.
MASSA DE MODELAR: representa a brincadeira e a flexibilidade. Experimente virar criança outra vez e brincar com seu filho; divirtam-se juntos; permita-se inventar e reinventar. É preciso também ser flexível, saber moldar-se conforme o momento, saber ponderar.
CARTÕES (vermelho, amarelo e verde): não representa ser arbitrário, mas lembrar que é preciso saber dar limites, dosar, saber dizer “SIM” e saber dizer “NÃO”.
CALENDÁRIO: representa o tempo. Não deixe para amanhã o que você pode fazer hoje ou o que você deve fazer todos os dias. Reserve um tempinho para a família, para brincar com seu filho, para ouvi-lo ou simplesmente dar-lhe aquele carinho aconchegante. Não deixe para amanhã a oportunidade de dizer que ama e que sente saudades… O tempo passa depressa, os filhos crescem, a vida toma rumos imprevisíveis e você não quer se arrepender de não ter tido tempo, não é mesmo?
CHÁ: Esse ingrediente é para você sentar, relaxar, saboreando-o calmamente, sentindo o aroma da planta. Por que, afinal, precisamos sempre de um momento para refletir. Existem muitos chás, entre eles: o chá da paciência, para os momentos difíceis; o chá da sabedoria, para os momentos de decisão e o chá da união, para ser saboreado em família.
Você deve estar se perguntando: “- E o amor e o carinho?” Ah… Estes são sentimentos tão grandes e fortes que fica impossível esquecê-los. Mas sabemos que o amor se encontra guardado dentro de você! E o carinho? Este você irá demonstrar com um abraço em seu filho(a) todos os dias!


FONTE: Grupo de Coordenador pedagógico no Facebook
Foto: Desconheço a autoria, mas se passar por aqui, me diga!

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

ELEMENTOS GERAIS DO UNIVERSO - QUESTÕES 17 A 20




CONHECIMENTO DO PRINCÍPIO DAS COISAS

Objetivo

      Levar a criança a entender que Deus é criador de todas as coisas e que o homem não tem capacidade para entender o princípio das coisas.

Recursos Didáticos 

     Muitas gravuras da criação de Deus.

Introdução

    Dividir a classe em turmas e entregar para cada turma um desenho da natureza.

    Ex: nuvens, árvores, flores, borboletas, pássaros, raízes de árvores, sol, insetos, animais, chuva, etc.

Desenvolvimento

    Montar uma paisagem com os desenhos distribuídos as crianças. Chamar gradativamente cada uma, a partir das figuras que correspondem ao céu: pássaro, nuvem, sol, chuva, etc., finalizando com um gramado, sementes e raízes.

Fixação

  A própria montagem do painel é usada como fixação.





TEMA - ESPÍRITO E MATÉRIA

QUESTÕES 21 A 36

Sub-Tema- Matéria

Objetivo

     No Universo nada se perde, tudo se transforma.

Recursos Didáticos

     Trazer vários tipos de matéria:

     - papéis para queimar - cinza

    - madeira - carvão

    - água - gelo

Introdução

    O evangelizador deverá mostrar à classe os diferentes tipos de matéria e suas transformações.

Desenvolvimento

    Conforme o desempenho da classe, o evangelizador desenvolve a aula, enfocando Deus como o princípio criador de toda matéria que existe, com conversação referente ao tema proposto.

Sugestão

    Falar sobre nosso corpo, de matéria que não vemos - ar, eletricidade, bactéria, vírus, poeira.

Fixação

   Encher uma bexiga, queimar papel para que percebam a transformação da matéria.


LIVRO DOS ESPÍRITOS PARA CRIANÇAS
LIVRO PRIMEIRO
DEPARTAMENTO DE EVANGELIZAÇÃO INFANTIL DO GRUPO ESPÍRITA MARIA DE NAZARÉ

PANTEÍSMO - QUESTÕES 14 A 16


OBJETIVO:

     LEVAR A CRIANÇA A ENTENDER QUE DEUS É O CRIADOR DE TODAS AS COISAS E NÃO PARTE DELAS.

RECURSOS DIDÁTICOS:

           COLOQUE NO QUADRO UM PAINEL COM MUITAS GRAVURAS DE NATUREZA.
RECORTAR VÁRIAS LETRAS EM TAMANHO GRANDE, ENTRE ELAS AS LETRAS DA PALAVRA DEUS MISTURADAS NO PRÓPRIO PAINEL.

INTRODUÇÃO:

DEUS É A NATUREZA?
FAZ PARTE DA NATUREZA?

    FALAR PARA AS CRIANÇAS DESCOBRIREM UM TESOURO ENTRE AS GRAVURAS. LEVÁ-LAS A DESCOBRIREM AS LETRAS QUE FORMAM A PALAVRA DEUS.

DESENVOLVIMENTO:

  CONVERSAÇÃO. LEVAR A CRIANÇA A ENTENDER QUE A DOUTRINA PANTEÍSTA PROFESSA A FALSA IDEIA DE QUE TODOS SERIAM PARTES DE DEUS.

A DOUTRINA ESPÍRITA NOS ORIENTA QUE NÃO PODEMOS CONFUNDIR O CRIADOR COM A CRIAÇÃO.

EXEMPLIFICAR:

- O PINTOR NÃO É O  PRÓPRIO QUADRO.
- A NATUREZA NÃO É O PRÓPRIO DEUS, MAS CRIAÇÃO DELE.

FIXAÇÃO:  FAÇA A CORRESPONDÊNCIA:

PADEIRO                                       QUADRO

COSTUREIRA                 ESCULTURA

PEDREIRO                                    MESA

OLEIRO                                         PÃO

MARCENEIRO                            TIJOLOS

DEUS                                            VESTIDOS

PINTOR                                       CASA   
           
ESCULTOR                                NATUREZA



LEITURA E PESQUISA: LIVRO DOS ESPÍRITOS E FILHOS DE DEUS - DIVALDO P.FRANCO


quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

SENSIBILIDADE DAS PLANTAS



Objetivo Específico

       Entender que as plantas tem sensibilidade. Preservação.

Recursos Didáticos
 
      Gravura ou desenhos de um deserto.

Introdução

      O que vocês estão vendo?
      Existe alguma beleza aí?
      Por que?
      Existe vida?

Desenvolvimento

     Fazer comparação: Nós vivemos cercados de plantas, de vida, perfume, verde. Temos de cuidar delas para tudo isso existir, senão tudo vai ficar como este deserto. As pessoas estão despertando para a lei de conservação e existem muitos movimentos em defesa da vida. As plantas sentem a nossa indiferença, se as destruirmos, quebramos, elas não sentiram dor, mas são seres vivos.

Fixação

    Entregar material para que as crianças desenhem árvores, flores, grama, para que enfeitem o deserto, motivando-as ao compromisso de que se depender de nós não haverá deserto.
    Para os maiores, falar das pesquisas dos cientistas comprovando a sensibilidade  das plantas. Identificar plantas que produzam alimentos, madeira, adorno, etc...




UTILIDADE DAS PLANTAS

Recursos Didáticos

     Pequenos galhos da maior variedade possível de plantas com cheiro e que curam.

Introdução

    Colocar tudo em um lugar que a criança possa tocar.
    Vamos ver hoje se vocês conhecem bem as plantas.
    Deixar a criança falar das plantas que ela conhece, identificar as que estão na aula, contar fatos de remédios que já tomou e falar daquelas que ela não conhece. Dizer que vivemos cercados de bençãos que a natureza nos oferece, basta que procuremos. Incentivar o cultivo de plantas no quintal. Ter uma horta no quintal é possível a todos, basta que queiram. A terra como mãe generosa, permite a germinação de todas as sementes que plantarmos.

Fixação

   Narrar a história:  História de um feijãozinho


MUSICA - GERMINAÇÃO
https://youtu.be/yLgN1XwAk_k

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

AS PLANTAS




Objetivo Especifico

  Sabedoria de Deus na criação das plantas.

Recursos Didáticos

   Sementes de muitas variedades de plantas.

Introdução

     Silêncio! Vocês vão acordar as sementes. Ou vocês  acham que elas não estão vivas?

     Bem isso é so uma brincadeira para começar a aula, mas vamos ver quem conhece de que são feitas as sementes.

Desenvolvimento

   Deixar que falem tudo que sabem sobre as sementes e completar falando que ali está uma pequena floresta,  que a nossa sobrevivência depende das plantas.

Fixação

  Plantar com as crianças algumas sementes em um local em que possam acompanhar o crescimento.




Sub-tema - Beleza das Flores

Objetivo Especifico

  Entender que Deus nos ama e nos presenteou com flores multicoliridas, que enfeitam este planeta.

Recursos Didáticos

  Muitas flores em papel crepom ou desenhar gravuras de flores.

Introdução

   Prender na roupa de cada criança uma florzinha com carinha desenhada no miolo e o nome da criança.

Desenvolvimento

  Conversação sobre a beleza das flores, as cores, a grande quantidade de espécie, a maciez, o perfume, o polem. Comparar as flores que as estão enfeitando com as verdadeiras. Só uma inteligência suprema, um amor maior, seria capaz de criar tanta beleza e tanto perfume. Dizer que temos que nos comportar, que não devemos destruí-las, orientar a criança a não destruir o jardim de casa ou até roubar flores pelo caminho, para levar para as tias.

Fixação

  Recortar e pintar uma máscara em forma de flor, petálas papel de seda, miolo de retalhos de papel, bolinhas, etc...

 Escrever um texto sobre as flores.


GRANDEZA DE DEUS



Objetivo Específico

Entender a grandiosidade da criação de DEUS.

RECURSOS DIDÁTICOS

     Passeio na natureza, v endo de perto, flores, sentindo o sol, o vento,olhando as nuvens, enquanto o evangelizador vai falando fda bondade de DEUS em nos dar tudo isso de graça e o quanto nós precisamos de tudo isso. Lembrar da lua, estrelas, da noite,etc.

FIXAÇÃO

      Deixar que a criança fale despertando nela o amor pelas obras de DEUS.

Obs: Sabemos que muitos evangelizadores não tem locais apropriados na Casa Espírita para este tipo de aula. Dão aulas em lugares pequenos, apertados, mas deverão, mas deverão fazer o possível para marcar um passeio com as crianças, pelo menos na praça publica.

Sub-Tema

ESTAÇÕES DO ANO

Objetivo Especifico

  Entender as quatro estações na renovação da natureza.

Recursos Didáticos

   Fazer figuras do sol, nuvens, flores, frutos, folhas, etc...

Introdução

   Entregar uma para cada criança.

Desenvolvimento

   As próprias crianças vão montando o painel e dizendo para que serve o sol, a nuvem e assim por diante.

Fixação   
      Completar  alando das quatro estações: chuva, nascimento dos frutos, a queda das folhas, frio, etc...


DEUS - CRIADOR




NOSSO MUNDO - TERRA

Objetivo Específico

Conhecer o mundo em que vivemos

RECURSOS DIDÁTICOS

Cartazes, objetos de cada região da terra.

INTRODUÇÃO

Vamos conhecer o nosso mundo?
Todos vão ajudar?

Cada criança coloca um pedaço do mundo na lousa.

DESENVOLVIMENTO

VEJAM COMO FICOU BONITO ESSE NOSSO MUNDO GRANDÃO?

ENTÃO VAMOS CONHECER DE PERTO?

VAMOS VIAJAR?

VAMOS FAZER DE CONTA QUE ESTAMOS EM CADA REGIÃO DESTAS, EU SEREI O GUIA TURÍSTICO E MOSTRAREI A VOCÊS AS BELEZAS DESTE  MUNDO.

VAMOS EMBARCAR?

OBS: Cabe evangelizador fazer com que as  crianças sintam em cada região, pelas quais passaram, as características que lhes são próprias: frio, calor,odores de plantas típicas, vento, mar, montanha,etc...

         Se o evangelizador não falar com convicção as crianças não vão sentir o ambiente.

FIXAÇÃO

        Agora que estamos de volta, qual a região que voc~es mais gostaram?
       
        Porque?
       
        Neste momento o evangelizador retira do bolso uma folha ou uma flor e diz:

       Olhem, quando passamos por aqui(indica um lugar, num dos cartazes) deve ter caído na minha roupa, vou guardar de recordação desta viagem.

       E quem fez tudo isso? 


"Ser Evangelizador é orientar, encaminhar, exemplificar, preparando a criança para dar bons frutos morais no seu aprimoramento espiritual."


http://www.4shared.com/mp3/z01PnGeSba/16_Faixa_161.html