quinta-feira, 15 de novembro de 2012

O MILAGRE DA BOA VONTADE

Era uma vez, um trenzinho carregado de brinquedos que viajava na véspera do natal. Na noite escura, ele corria pelos trilhos, seguindo um caminho cheio de curvas e de ladeiras. Levava bonecas, bolas, navios, patinetes, automovezinhos , bichos de pelúcia e de plástico, jogos, quebra-cabeças, bicicletas, petecas, cavalinhos de madeira e mil outras coisas maravilhosas, para as crianças que moravam do outro lado da montanha. De repente, no começo da subida, a máquina enguiçou e não pôde continuar o caminho. Felizmente, estavam perto de uma estação de manobra, onde havia várias máquinas em repouso. O maquinista aproximou-se duma locomotiva, forte e bonita, pronta para partir e perguntou-lhe: – 'Máquina, você quer levar os vagões carregados de brinquedos de natal para as crianças que moram do outro lado da montanha?' A máquina, porém respondeu ofendida, lançando grossas baforadas de fumaças: – 'Eu só levo passageiros... Eu só levo passageiros... Eu só levo passageiros...' O maquinista viu logo que apesar de grande e bonita, aquela locomotiva era uma locomotiva vaidosa e sem boa vontade e, de máquinas dessa espécie, nada se podia esperar. Nesse instante chegou outra máquina tão grande e forte como a primeira. O maquinista correu para ela e perguntou-lhe: – 'Máquina, você quer levar um trem carregadinho de brinquedos para as crianças que moram do outro lado da montanha? Porém, a locomotiva respondeu logo, de muito mal humor: – 'Já andei oito horas... Já andei oito horas... Já andei oito horas... ' – 'Outra máquina de má vontade!', pensou o maquinista coçando a cabeça, e, com máquinas desse tipo não se consegue nada ... Foi então que ouviu uma vozinha que lhe pediu suplicando: – 'Deixa-me ir... Deixa-me ir... Deixa-me ir... ' Era uma pequena locomotiva, dessas usadas para manobras. Ela estava ali perto e havia escutado as respostas das orgulhosas companheiras. – 'Mas, você é tão pequena!' disse o maquinista olhando-a. 'Será que vai conseguir subir a montanha? – 'Hei de subir... Hei de subir... Hei de subir...' – É pequena, mas tem boa vontade.' Pensou o maquinista. 'E com máquinas assim, tudo se pode conseguir'. E engatou-a no vagão. Mal se viu sobre os trilhos, presa aos vagões, a pequenina locomotiva, com muito esforço, se pôs corajosamente, a subir a encosta da montanha. Puxou, puxou os vagões carregadinhos de brinquedos e começou a subir, mas..., o maquinista bem percebeu que ela ia indo cada vez mais lentamente, porque o caminho ia se tornando mais e mais empinado... – 'Você é tão pequenina! ' disse carinhosamente. 'Será que pode chegar até o alto da montanha? ' – 'Hei de chegar... Hei de chegar... Hei de chegar... ', respondeu ela resfolegando, penosamente. E de fato chegou! Muito feliz, começou a descer ligeirinha o outro lado da montanha, enquanto ia cantando, alegremente: – 'Eu sabia... Eu sabia... Eu sabia que poderia... Eu sabia que poderia...' Foi assim, graças a uma corajosa locomotiva de manobra, pequenina e fraca mas, de boa vontade, que as crianças do outro lado da montanha receberam a tempo os seus brinquedos de natal.

 Faixa Etária: Jardim
Tema: Boa Vontade






Nenhum comentário:

Postar um comentário