quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

AMAR AO PROXIMO ELO ENTRE AS RELIGIÕES

UNIDADE: DEUS
TEMA BÁSICO: AMOR AO PROXIMO ELO ENTRE AS RELIGIÕES
Objetivo:
Reconhecer que as religiões são caminhos diferentes que buscam levar o homem à compreensão de Deus e de suas Leis e são respeitáveis e valiosas quando conduzem à pratica do bem.

ATIVIDADE INTRODUTORIA
Colocar os anexos 1a e 1b(em flanelogravuras) no flanelografo e levar as crianças a observar a variedade das flores.
Resultado de imagem para pelos caminhos da evangelização - AMAR AO PROXIMO ELO ENTRE AS RELIGIÕES

Informar que muitos bichinhos (anexo 2a,2b e 2c em flanelogravuras) buscam as flores, cada tipo em um tipo de flor, procurando tirar da flor um “caldinho” chamado néctar.

Resultado de imagem para pelos caminhos da evangelização - AMAR AO PROXIMO ELO ENTRE AS RELIGIÕES


Perguntar:
- Os bichinhos escolheram o mesmo tipo de flor?
- Todas as flores foram úteis a eles?

ATIVIDADE REFLEXIVA
Ouvir as crianças e conduzir o seguinte diálogo:
Todas as flores alimentaram os bichinhos, mas elas eram diferentes. Existem outras coisas que são diferentes, mas tem a mesma utilidade.
Tenis, chinelos e sapatos são calçados diferentes, mas tem a mesma utilidade que é...( anexo3).

Resultado de imagem para pelos caminhos da evangelização - AMAR AO PROXIMO ELO ENTRE AS RELIGIÕES

Casaco e suéter são tipos diferentes de agasalho, mas tem a mesma utilidade que é... (anexo4).

Resultado de imagem para pelos caminhos da evangelização - AMAR AO PROXIMO ELO ENTRE AS RELIGIÕES

Dizer que existem vários lugares que as pessoas vão para aprender coisas boas (igreja católica, igreja evangélica, centro espírita...). Cada um diferente do outro, mas todas são úteis as pessoas, tal como aquelas flores diferentes mas que alimentaram os bichinhos.

Narrar: AS TRÊS AMIGAS, usando o cineminha.

Auxiliar a compreensão do tema através de perguntas, tais como:
-Por que as amigas não estavam juntas no sábado?
- Elas deixaram de ser amigas porque iam a lugares diferentes?
- O que elas aprendiam... (no centro espírita, na igreja católica, na igreja evangélica) ?
Concluir dizendo que são bons todos os lugares onde aprendemos a fazer o bem.

ATIVIDADE CRIATIVA
Colocar giz de cera e folhas de papel
Ensinar a técnica do desenho surpresa, com os moldes de flores (ANEXO5). Cada criança recebe apenas um tipo de flor. Ao terminar, recorta sua flor e cola em papel pardo, organizando um “jardim” com a ajuda do educador.

Resultado de imagem para pelos caminhos da evangelização - AMAR AO PROXIMO ELO ENTRE AS RELIGIÕES

AS TRES AMIGAS

Fig.1 Diná, Carol e Lurdinha são amigas.
Elas estão juntas em muitos lugares: na escola...



Fig.2 ... nas brincadeiras no parquinho;

Imagem relacionada


Fig.3 ... em todas as tardes, quando a D.Chica conta histórias para a criançada do bairro.
Mas aos sábados, de manhãzinha, as três amigas não estão juntas.
Por que será?



Fig.4 É porque elas vão para lugares diferentes, mas onde se ensinam coisas boas:
A Diná vai ao Centro Espírita.



A Carol vai à Igreja Católica.
A Lurdinha vai à Igreja Evangélica.
Um dia, as meninas souberam que a D.Chica não ia contar histórias...
-Onde está a D.Chica? – Perguntaram.
-A Dona Chica não vem hoje. Ela machucou o pé e não pode sair – respondeu uma das crianças.
As meninas resolveram visitar a amiga que contava sempre histórias tão lindas!
Fig.5 Fizeram companhia para ela e ajudaram em pequenos serviços:
Diná regou as plantas.
Carol varreu o quintal.
Lurdinha deu leite para o gatinho.
As meninas ficaram felizes porque fizeram o bem.
Sabe onde elas aprenderam isso?
Todas aprenderam com suas mamães e também em outros lugares....
A Diná aprendeu no Centro Espírita.
A Carol aprendeu na Igreja Católica.
A Lurdinha aprendeu na Igreja Evangélica.


FORÇAS DO UNIVERSO - 4 A 7 ANOS

UNIDADE: A NATUREZA
TEMA BÁSICO: FORÇAS DO UNIVERSO
Objetivo:
 Reconhecer a importância das forças da natureza no equilíbrio da vida planetária.

ATIVIDADE INTRODUTÓRIA
Apresentar a seguinte situação-problema para as crianças:
Joãozinho ganhou no seu aniversário um rádio de pilha. No dia seguinte tentou ligá-lo, mas nenhum som ouviu. Tentou, tentou, mas nada de funcionar. O que vocês acham que pode estar faltando?
Ouvir as crianças. Ao final concluir que Joãozinho não verificou se faltavam as pilhas para produzir a eletricidade que é a força(ou energia)necessária para o rádio funcionar.

ATIVIDADE REFLEXIVA
Explicar que todas as coisas, para funcionar precisam de alguma energia(ou força).Dar exemplos. Perguntar se nós também precisamos de energia, por exemplo, para levantar um peso, para empurrar um móvel... Possibilitar às crianças realizar essas ações para que possam sentir o que se falou.
Explicar que o alimento que comemos é que dá essa força para o corpo. Perguntar: ”e que energia boa precisamos para ficarmos felizes?” (carinho,amor,alegria...)

Narrar: A MAIOR FORÇA DO UNIVERSO
Perguntar:
- Que energia boa tem Luiza para ajudar tanto seu irmão?
Concluir que é a energia (ou força) do amor.
-Que energia boa tem a estrelinha azul e a estrelinha amarela para poderem ajudar a estrela verde.
Concluir que também é a energia (ou força) do amor.
Concluir que a maior força que existe no mundo e em toda parte é a força do amor.É mais forte do que o vento, do que a chuva, do que o sol, porque nunca prejudica e pode sempre ajudar, tal como aconteceu com as estrelinhas e a Luiza. O amor também pode ajudar as plantas, os animais e todas as pessoas.
Dizer que Luiza todas as vezes que vê o céu cheio de estrelas, canta (primeira estrofe da faixa 27 do CD “Histórias Cantadas” de Sonia da Palma):

Ando olhando para o céu.
Cada pontinho distante,
Apagadinho ou brilhante,
Me faz lembrar de Papai do Céu

ATIVIDADE CRIATIVA
Oferecer às crianças tintas nas cores primárias, pincéis pequenos e pequenos potinhos, permitindo que elas façam misturas de modo a obter diferentes cores.
A seguir, propor que as crianças façam individualmente ou em grupo uma pintura usando as cores obtidas. Ao final expor os trabalhos.

A MAIOR FORÇA DO UNIVERSO



Fig.1 Lá no alto do céu a Estrelinha Azul e a Estrelinha Amarela observaram que a luz da Estrelinha Verde estava cada dia mais fraquinha.
- A Estrela Verde deve estar ficando doente – falaram elas.
As estrelinhas se reuniram para pensar como poderiam ajudar.
E descobriram como fazer.



Fig.2 A Estrelinha Azul mandou muitos raiozinhos da sua luz para a  Estrela Verde.
Imagem relacionada

Fig.3 A Estrelinha Amarela mandou muitos raiozinhos da sua luz amarela para a Estrela Verde.
A Estrela Verde foi ficando cada vez mais verde mais brilhante e mais bonita.
Imagem relacionada

Fig.4 – Parece que agora a sua luz verde está de novo forte – falaram as estrelinhas felizes porque puderam ajudar.
Enquanto isso acontecia lá no céu aqui no mundo em que vivemos, Luiza estava sentada ao lado do bercinho do seu irmão, doente já há alguns dias.
A menina olhava pela janela e vendo as estrelas lá no alto, lembrou-se do nosso Pai do Céu e pediu com muito amor:
- Pai do Céu, ajude meu irmãozinho a ficar bom!



Fig.5 E do coração de Luiza saíram muitos raiozinhos de luz dourada para o irmão.

Resultado de imagem para pelos caminhos da evangelização - FORÇAS DO UNIVERSO - 4 A 7 ANOS

Fig.6 Poucos dias depois o meninozinho estava alegre e esperto correndo pela casa.

Resultado de imagem para pelos caminhos da evangelização - FORÇAS DO UNIVERSO - 4 A 7 ANOS


EDUCAÇÃO DO SER INTEGRAL

domingo, 19 de fevereiro de 2012

FAMÍLIA

Resultado de imagem para PELOS CAMINHOS DA EVANGELIZAÇÃO - domingo, 19 de fevereiro de 2012 FAMÍLIA

Objetivos:
Reconhecer que a família não se forma por acaso mas por compromissos e necessidades e afinidades de seus integrantes.
Refletir sobre a importância da gratidão nas relações familiares.
Atividades:
Recepção, Harmonização (com músicas, prece, passe), lanche.

Incentivação:
Dinâmica do Coração.
Preparo de corações de cores e tamanhos diferentes, recortados em partes Distribuir uma metade para cada aluno. Solicitar que em silêncio busquem a outra parte do coração. Solicitar que em seguida, os participantes relatem como foi à procura e o encontrar a metade do coração. Solicitar que busquem coisas em comum com a pessoa que fez o par. Questionar: “As diferenças impediriam a amizade entre vocês?”

Desenvolvimento:
Ouvir as respostas e apresentar o seguinte pensamento: ”Aqui na Terra, não nos achamos ligados com alguém, por laços de família, sem alguma razão".
Explorar a compreensão do grupo com relação as necessidades evolutiva.
Deus coloca na vida em família para que, na posição de pais e filhos, possamos nos ajudar.
Encontramos familiares pelos quais sentimos afinidade; outras vezes não para podermos desenvolver o amor e a compreensão.
Narrar o seguinte caso verídico:
"Há alguns anos atrás , nasceram em uma família de uma pequena cidade do oeste americano gênero siamesas. No caso delas, os seus corpos podiam ser separados.
Elas têm dois corações, dois estômagos, colunas vertebrais distintas, mas têm em comum um aparelho circulatório , como também todos os órgão abaixo da cintura.
Inicialmente seus pais sofrem um choque, porque não sabiam lidar com a situação. Porém alguns dias depois, ao irem vê-las no hospital, ficaram presos pro um sentimento de amor muito profundo. Os familiares assumiram, então o compromisso de colaborar na criação das meninas. Apesar de todas as dificuldades, esses laços de afeto transformara a vida de todos.
As meninas estão crescendo felizes. São bem humoradas e têm uma grande amizade uma pela outra. Brincam com o irmão mais novo, freqüentam a escola e dão se bem com os colegas.
Quando perguntaram às gêmeas se gostariam de ser separadas, elas reagem de pronto:- Não queremos ser separadas!”

Perguntar:
Foi por acaso que as gêmeas nasceram naquela família?
Como os pais reagiram quando viram as meninas? E depois.
Como é a relação entre os membros da família?
Apesar das muitas dificuldades que passam, as gêmeas têm alegria de viver?
A alegria é importante na família? Porque?

Solicitar que dois voluntários para a dramatização da seguinte situação:
Dois amigos se encontram e um deles não pode andar, nem falar... O outro dispõe-se a cuidar dele o melhor que pode. Nas horas certas, prepara sua comida, dá-lhe de comer... de beber água... leva-o para tomar sol... cuida de sua higiene... carrega seus objetos... acorda a noite para dar-lhe remédio.. ensina o a andar.
Um dia, quando esse amigo já consegue falar... andar... correr...fazer tudo o que precisa... por uma bobagem se aborrece com o outro que o ajudou tantos anos, discute , ofende –º... e sai batendo a porta...

Pedir ao grupo que reflita e expresse suas idéias:
O que acham da atitude do amigo que foi ajudado?
Como ele deve ter se sentido o outro que tanto ajudou?
O trabalho dos pais, principalmente da mãe, não se parece com o do bom amigo?
Não há filhos que agem como o amigo ingrato?
Como devem se sentir os pais nessa situação?
Será que muitos filhos trazem sofrimento aos pais porque nunca pararam para pensar no quanto suas vidas custaram de sacrifício para eles?
Dizer que sempre podemos repensar nossas atitudes, mas para melhora-las como aconteceu na história que vai ser contada

Bibliografia:
Educação do Ser Integral Volume 4. Lar Fabiano de Cristo.

A FAMÍLIA - CÉLULA SOCIAL

UNIDADE- A SOCIEDADE

TEMA BÁSICO- A FAMÍLIA: CÉLULA SOCIAL

FAIXA ETÁRIA- 13 ANOS


ATIVIDADE INTRODUTÓRIA


Dividir o grupo em dois ou mais subgrupos. Dar para cada participante um palito de fósforo usado, explicando que o subgrupo deve formar sobre uma folha de papel, a silhueta de uma casa.

Um dos participantes dará início ao trabalho, passando a vez a outro e assim, sucessivamente, até completar a casa.

No decorrer do trabalho cada subgrupo deverá trocar idéias sobre o tipo de casa a ser construída. Lembrar que este é um trabalho de construção participativa por isso a opinião de todos é valiosa.

Após a montagem definitiva sugerir que colem os palitos na folha de papel.

ATIVIDADE REFLEXIVA

Após o término do trabalho, perguntar:

-Para construir estas casas, cada um fez uma pequena parte. E para construir um lar, é necessário semelhante colaboração

Concluir que:
Lar e casa não são a mesma coisa. Casa é o local onde moramos. Lar é a integração da família para que ela desempenhe sua função de célula de amparo material e espiritual de seus membros. Sem a boa vontade de cada um, não haverá integração da família.

Todos os membros da família são responsáveis pelo ambiente familiar, feliz ou não,harmonioso ou não.

Na Terra as famílias não são perfeitas; mas,se estiverem dentro do ideal cristão, encontrarão disposição para vencer as lutas do dia a dia com espírito de união e fraternidade.

O Evangelho de Jesus foi iniciado na Manjedoura e no lar humilde de José e Maria, em Nazaré, antes de espalhar-se pelo mundo. Tudo começou no lar.


ATIVIDADE CRIATIVA

Reunir um grupo de participantes voluntários. Utilizar chapéus para caracterizar os personagens de uma família: chapéu para o avô, chapéu para a mãe, outro para o pai, boné para o filho, boné feminino para a filha. Com a família formada pedir que dramatizem situações do cotidiano, geralmente conflitivas.Designar um dos assistentes para interferir com argumentos conciliatórios.

SUGESTÕES:

1-O pai reúne a família após o jantar e comunica que perdeu o emprego que já tinha há cinco anos.

2- A mãe reúne a família e avisa que a avó paterna ficará alguns meses residindo com eles até que a casa dela esteja pronta.

3- O filho mais velho reúne a família, avisa que está gostando de uma moça, vai casar em breve e não poderá ajudar os pais idosos.