segunda-feira, 6 de junho de 2011

SINTO ALEGRIA EM MEU CORAÇÃO

OBJETIVO: mostrar que todas as emoções que sentimos alteram o nosso corpo, nos ajudam a ter saúde, alegria ou, ao contrário, trazem doença e tristeza.

- Contar a história abaixo. Enquanto conta, todos devem fazer as ações que forem faladas:

Estou no campo. O ar é puro. Eu quero respirar bem devagar esse ar... (inspirar e expirar bem devagar) aaahhh!... Que bom! Vou caminhando, mas... que barulho estranho!... um bicho está me seguindo... Que susto! (todos repetem). Estou com medo e ando mais depressa. Ufa! (todos repetem). Chego em casa. Bato na porta: toc, toc, toc (todos repetem) Estou tão assustado... (a respiração está acelerada) Que medo! (todos repetem). Mamãe abre a porta. Aaaahhh! Que alívio! Estou calmo (todos repetem). Respiro bem devagar. Procuro meu cachorro. Ele não está! Fico triste e choro (todos choram). De repente, meu cachorro entra latindo: Au, au, au... (todos repetem). Eu faço carinho nele. Estou alegre. Suspiro: Aaaahhh... (todos repetem com alegria).
- Pedir que as crianças identifiquem as emoções sentidas no decorrer da história. (susto, medo, calma, tristeza, alegria...)
- Estimular a reflexão com perguntas: Quando um bicho estava me seguindo, que emoção senti? (medo, susto...) Essa emoção é boa de sentir? É agradável? Quando eu sinto isto, como o meu corpo fica? (me encolho, fico de olhos
arregalados, mãos suadas...)
- Repetir as perguntas com as demais situações da história (calma, alegria...), concluindo que todas as emoções que sentimos alteram o nosso corpo, nos ajudam a ter saúde, alegria ou, ao contrário, trazem doença e tristeza.

Contar a história “A FAMÍLIA AMARELA"Ilustrar com figuras feitas com dobraduras em papel glacê amarelo ( anexo 1). O educador, à medida que narra a história, vai fazendo a dobradura, mostra-a às crianças e prende-a com durex no quadro.


Lilibel é uma borboleta amarela que vive hoje no Bosque das Margaridas.
Logo que Lilibel nasceu ficou junto com a família das borboletas, no alto das montanhas. (dobradura 1).
Ela ainda nem podia voar. Estava secando suas asinhas, em cima do casulo, quando aconteceu uma coisa terrível!
Houve um grande incêndio na floresta! Alguém botou fogo nas árvores. As borboletas voaram buscando abrigo mas Lilibel era tão pequena... e o incêndio tão grande...
De repente ela se viu puxada pelo espaço, com as asinhas ainda fechadas.
Lilibel olhou para baixo e sentiu grande medo.
A viagem pela altura parecia não mais acabar... E o medo era cada vez maior. Que altura!
Em certo momento, ela sentiu que havia pousado. Quem a teria levado para lá?
Olhou à sua volta e viu que era um lugar lindo, cheio de margaridas amarelas! (dobradura 2). E quem estava a seu lado? (dobradura 3). Uma linda canária, cantando de alegria.
Lilibel tinha voado pelas alturas nas asas da canária.
Lilibel ainda bem pequenina começou a fazer seus primeiros exercícios de vôo.
Mas uma coisa estranha acontecia. Lilibel só conseguia voar baixinho, perto do chão, abaixo das flores.
Tinha medo de altura! Vocês já viram uma borboleta com medo de altura?
Mais uma vez a boa canária ajudou Lilibel.
A borboleta subiu nas costas da canária e ficou bem segura.
O pássaro começou a voar. No começo, não voava alto para Lilibel não sentir medo... depois, mais alto... mais alto... até que um dia a borboleta sentiu-se tão bem, que passou a voar sozinha e feliz.
Hoje, quem passa pelo Bosque das Margaridas não acredita no que vê: Lilibel (dobradura 1), a canária e seus filhotes (dobradura 3) sempre voando juntos... e bem alto!

DOBRADURA DA LILIBEL



Perguntar: Por que a borboleta sentiu medo das alturas? Quem salvou a Lilibel? Por que a Lilibel voava baixinho no Bosque das Margaridas?

Atividade Criativa

As crianças reproduzirão as margaridas (por meio de recorte ou dobradura).

 Montar o Bosque das Margaridas com as dobraduras feitas presas no palito, para serem colocadas no tabuleiro de areia.



Harmonização Final/ Prece


Vamos imaginar o Bosque das Margaridas... todas as flores lindas... bem amarelinhas... agora está chegando um bando de borboletas... voando sobre as flores... parece um bailado... as borboletas começaram a pousar sobre as flores... todas ficaram quietas... bem quietinhas, como nós estamos também. Tudo está em paz... nós estamos em paz. Agora nosso pensamento volta para nossa sala. Sentimos alegria em nosso coração.


- Meditar:

Sinto alegria em meu coração.


Nenhum comentário:

Postar um comentário