domingo, 25 de abril de 2010

MALEDICÊNCIA

















Livro Evangelização Infanto-Juvenil – Editora Aliança.


R E F L E X Ã O

“O mal, em suas variadas formas ocupa o pensamento humano quase em tempo integral através da maledicência, da inveja, do orgulho, do desprezo, e,assim, transformamos em veneno aquilo que poderia ser nosso maior bálsamo.”
Vladimir Ávila, Diferenças não separam, pág.63


Tema/ Maledicência
Refletir sobre o comportamento de ressaltar, divulgar e ampliar as fraquezas dos outros.


Motivação Inicial Juntar as sílabas

Distribuir em cartões, as sílabas da palavra “maledicência”. Pedir que as crianças juntem as silabas, descobrindo o tema da aula.

Desenvolvimento da aula Maledicência



Na escola, os amigos Mary, Fátima, Leon, Fábio e Vinícius adoravam ficar sentados nos bancos do pátio na hora do intervalo, reparando em todos que lá passavam e então comentavam:
- Olha! Lá vem a exibida da Petrô, rebolando pra chamar atenção dos meninos. Fiquei sabendo que ela tirou zero na prova de Português! – exclamava Fátima.
- Isso não é nada! Olha o Nelson, aquele dentuço. Ele nem sabe fazer contas, a única coisa que aprendeu foi chutar latinhas de refrigerante – dizia Leon.
- Vejam o Balofo do Magrão. Que engraçado esse apelido! Ele está mais para Baleia Assassina do que para Magrão. Até parece que ele é magro! Come merenda todo dia e deve pesar uns duzentos quilos!Ah! Ah! Ah! – ria Fábio.
- Ah! Vocês não sabem da última Estão vendo a Patrícia? Me disseram que ela está namorando o Ayrton. Vocês já imaginaram se a mãe dela fica sabendo? Não quero nem imaginar a surra que ela vai levar! – comentou Mary.
E assim eram os comentários maldosos até terminar o intervalo.

Um dia a professora Leonor entrou na classe e propôs:
- Bom-dia! Espero que todos estejam bem, porque na aula de hoje vamos contar ma história. Para isso, preciso de três voluntários.
- Eu! Eu! Eu! Eu! Eu!
Muitas crianças levantaram a mão, as a professora escolheu Leon, Fábio e Mary, propositalmente. Primeiro chamou Leon no corredor, fora da sala de aula e contou-lhe o seguinte:
_ A água é o elemento mais importante para a vida na Terra e este é o único planeta conhecido onde se encontra água no estado líquido. No Brasil existe a maior reserva de água doce do mundo e é, por isso, que devemos cuidar bem dos nossos rios, lagos, represas e nascentes.
- Que legal, professora! E o que eu devo fazer?
- Agora vamos chamar o Fábio e você irá contar esse mesmo fato para ele.
- Mas isso é muito fácil!Deixa comigo! Fábio, você sabia que o Brasil está cheio de água? É tanta água que até escorre pela Terra e quando ela fica encharcada, dá até enchentes! Por isso que não tem vida em outro planeta! Dá um trabalho cuidar dos rios e lagos!
- Muito bem! Leon, pode voltar para a sala de aula e, por favor, chame a Mary. Agora, Fábio, é a sua vez. Conte aquilo que aprendeu para a Mary.
- Mary, no Brasil tem tanta água, que transborda e dá enchente. Tem gente até vindo de outro planeta para cuidar dos rios!
- Ótimo! Agora vamos voltar para sala e Mary vai contar o que aprendeu.
- Queridos amigos, tenho notícias de outro mundo! Para acabar com as enchentes do Brasil, os rios serão levados por gente de outro planeta. Não é demais? – contou Mary.
- Professora! – perguntou Charlie, o aluno mais inteligente da sala - Não posso acreditar nessa mentira. O que está havendo?
- Nada mais grave do que está acontecendo nesta Escola. Apenas disse que a água é o elemento mais importante para a vai da na Terra e este é o único planeta conhecido onde se encontra água no estado líquido, No Brasil existe a maior reserva de água doce do mundo e é por isso que devemos cuidar bem de nossos rios, lagos e represas e nascentes.
- Mas o que a Mary nos disse não tem nada a ver com isso – respondeu Charlie.
-Isso mesmo! Apenas fiz essa brincadeira para alertá-los e que não devemos ficar falando da vida dos outros, como se tem feito durante o intervalo, Isso é muito feio e além do mais, ninguém gostaria que ficassem olhando para si e comentassem sobre seus defeitos ou sobre sua vida, porque as pessoas acabam julgando e modificando os fatos que ouviram.Por isso que eu procuro analisar cada um de vocês valorizando o que cada um tem de melhor,para que possamos todos, aprender e crescer juntos.
Mary, Vinícius, Leon, Fátima e Fábio coraram, sentindo-se envergonhados pelas atitudes que tiveram.




Verificação/Fixação Quem conta um conto...

Escolher três crianças para se retirarem da sala,a fim de não escutarem o seguinte texto que será lido para a classe.

Disse o gerente geral para o gerente de divisão: Na sexta-feira, às 17horas aproximadamente, o cometa Halley estará visível nesta área. Trata-se de um evento que ocorre somente a cada 76 anos. Assim, por favor, reúna os funcionários no pátio da fábrica, todos usando capacete de segurança, e explicarei a eles o fenômeno, Se estiver chovendo, não poderemos ver nada. Neste caso, reúna os funcionários no refeitório mostrarei a eles um filme sobre o cometa.
Incumbir uma das crianças para passar a mensagem, diante das demais, à primeira das que forem retiradas. Chamar as crianças uma a uma de volta para a sala. A primeira transmite a mensagem que entendeu para a segunda, que, por sua vez, deverá transmiti-la à terceira. A última conta para a turma o que entendeu.

Dar oportunidade para que as crianças comentem a possível distorção da mensagem
Original. Havendo tempo e interesse, ler as mensagens subseqüentes.

Disse o gerente de divisão para o, gerente de fábrica: Por ordem do gerente geral, na sexta feira, às 17horas, o cometa Halley vai aparecer sobre a fábrica. Se chover, por favor, reúna os funcionários, todos usando capacete de segurança, e os encaminhe ao refeitório onde o raro fenômeno terá lugar o que acontece a cada 76 anos.

Disse o gerente da fábrica para o gerente de pessoal: Por ordem do gerente geral, às 17 horas de sexta-feira, o fenomenal cometa Halley vai aparecer no refeitório, usando capacete de segurança. Se chover, o gerente geral dará ordem, o que ocorre a cada 76 anos.

Disse o gerente de pessoal para o supervisor: Na sexta-feira, às 17 horas, o gerente geral vai aparecer no refeitório com o cometa Halley, o que acontece a cada 76 anos. Se chover, o gerente geral levará o cometa para o pátio da fábrica, usando capacete de segurança.

Disse o supervisor para os funcionários: Na sexta-feira, às 17 horas, quando chover, o fenomenal Bill Halley, usando capacete de segurança e acompanhado do gerente geral vai passar pela fábrica com seus cometas.


Consultar trilha musical para Evangelização Infanto-juvenil Crescendo Cantando, editora Aliança Músicas sugeridas no CD número 3: 2, 10.


Cantinho do saber: Falando em maledicência... Jesus também disse que o mal não é o que entra pela boca, mas o que sai da boca, porque é disto que está cheio o coração (Mateus, 15: 10-20). Ensina-nos ainda André Luiz (Agenda Cristã) que o mal não merece comentário em tempo nenhum.

Dica/ Bibliografia

Kardec, Allan – O Evangelho segundo o Espiritismo, cap.X, itens 19 a 21.
Lorenzetti, Valentim – Caminhos de libertação, cap.80 “A maledicência”, Editora Aliança.
Diversos, Autores – Iniciação Espírita, Cap.68 “ Vícios e Defeitos”, Editora Aliança



Avaliação da Aula


Livro Evangelização Infanto-Juvenil – Editora Aliança.

R E F L E X Ã O

“ O homem de bem: Nunca se compraz em rebuscar os defeitos alheios, nem, ainda, evidenciá-los.
Se a isso se vê obrigado, procura sempre o bem que possa atenuar o mal.”

Allan Kardec, O Evangelho segundo o Espiritismo, cap.XVII, item 3.

Tema/ Conteúdo Maledicência

Compreender que uma das formas de respeitar o próximo é não divulgar assuntos que nos foram confiados ou que venham a prejudicar alguém.


Motivação Inicial Bolsa

Levar uma bolsa que as crianças não conheçam o dono. Perguntar-lhes o que devemos fazer com ela..


Desenvolvimento da aula
A bolsa ( adaptação)

Em minha casa, sempre havia reuniões, onde compareciam vários amigos. No fim de uma dessas reuniões, um deles me disse ao despedir-se:
- Gosto de vir aqui, Felipe. É um lugar onde posso dizer tudo o que quero, tendo certeza de que não passará adiante!
Ao ouvir tal afirmativa, falei:
- O elogio, na verdade, cabe muito mais à minha mãe do que a mim!
Contei-lhe que um dia, eu tinha então uns oito anos, estava brincando ao lado de uma janela aberta, enquanto a senhora Silva confiava à minha mãe qualquer coisa de sério a respeito de seu filho, Quando a visitante saiu, percebendo que eu ouvia tudo, mamãe chamou-me e disse-me:
- Se a senhora tivesse deixado a sua bolsa hoje aqui, iríamos dá-la a outra pessoa?
- Claro que não! – respondi prontamente.
E a minha mãe prosseguiu:
- Pois a senhora Silva deixou hoje aqui, uma coisa muito mais preciosa, porque nos contou uma história cuja divulgação poderá prejudicar muita gente. Essa história não é nossa, de modo que não podemos contá-la aos outros. Continua a ser dela, mesmo que a tenha deixado aqui. Assim, não a daremos a ninguém. Você compreende? Compreendi muito bem. E tenho compreendido, desde então, que as coisas que nos contam ou ouvimos, e até mesmo alguma bisbilhotice que alguém deixa de vez em quando em minha casa, são dela, e não minhas, para dar a quem quer que seja. Como alguém que deixasse a sua bolsa.
Quando por qualquer motivo, percebo que não estou agindo de acordo, imediatamente lembro-me da bolsa da senhora Silva e calo a boca em tempo.

Verificação/Fixação Teia de aranha

Pedir às crianças que se sentem em círculo. O evangelizador, que faz parte do círculo, segura um novelo de lã ou barbante. Inicia uma história e passa o novelo a uma criança que não seja sua vizinha no círculo, segurando a ponta do fio. A criança que recebe o novelo continua a história e passa o novelo a outra que fará o mesmo, formando assim uma teia. Quando estiverem enredadas, devem desfazer a teia, contando outra história para desenredar a primeira.
A dificuldade para desfazer a teia é comparada ao trabalho em anular ou minimizar o mal causado por uma conversa maledicente.

Consultar trilha musical para Evangelização Infanto-juvenil Crescendo Cantando, editora Aliança Músicas sugeridas no CD número 3: 2, 10.


Cantinho do saber: Existe um provérbio chinês que diz “Há três coisas na vida que nunca voltam atrás: a flecha lançada, a palavra pronunciada e a oportunidade perdida.”. Portanto, devemos ter cuidado com o que falamos.


Dica/ Bibliografia

Rodrigues, Wallace Leal V. – E, para o resto da vida..., O Clarim.
Kardec, Allan – O Evangelho segundo o Espiritismo, cap.X, itens 19 a 21.
Kardec, Allan – O Livro dos Espíritos, pergunta 903.
Lorenzetti, Valentim – Caminhos de libertação, cap.80 “A maledicência”, Editora Aliança.
Peres, Ney Prieto – Manual prático do espírita, cap.II, item 20, Editora Pensamento.


Data:

Avaliação da Aula:


Nenhum comentário:

Postar um comentário