sexta-feira, 21 de abril de 2017

HIGIENE MENTAL

Faixa etária: 11-12 anos

Objetivo: Levar o evangelizando a criar o hábito de prestar atenção aos seus pensamentos como parte da saúde espiritual.

Incentivação inicial: Propor aos evangelizandos que façam uma lista de situações que ocorrem no nosso cotidiano. Ex: hora do almoço, recreio escolar, hora do estudo, filas, meus pais estão uma “fera” comigo, meus irmãos, minhas tarefas no lar, etc. Analisar:

- como reagimos diante delas?
- o que pensamos sobre essas reações?
- acrescentam algo de bom ou ruim?
- como são os efeitos dessas reações para mim e para outros?
- fiquei em desarmonia com elas?
- essas reações passam logo?

Desenvolvimento: Após a atividade iniciar um diálogo:

- vocês sabem o que é higiene?
- deem exemplos de higiene.
- o que vocês pensam sobre higiene? É importante?
- existe alguma relação entre essa higiene que conversamos e a atividade que acabaram de fazer?
Se vocês tivessem que reformar uma casa que está com muitos problemas, desde vazamentos, curtos circuitos, até pintura, por onde vocês começariam: pela aparência externa da casa ou pelos encanamentos, fiação, etc?

É disso que estamos falando, sobre o nosso interior e o exterior. A nossa aparência limpa, higienizada é muito importante, mas o nosso estado íntimo, o dos sentimentos e pensamentos é que nos deixará realmente saudáveis.

Assim como o ambiente e o corpo limpos evitam doenças, o espírito que mantém pensamentos sadios está higienizando a mente, promovendo o equilíbrio mental e espiritual.

O pensamento é a expressão do que sentimos. Através dele angariamos energias boas ou ruins que irão se manifestar no corpo, através do perispírito, como saúde ou doença.

Jesus disse: “vigiai e orai”. Fazendo esse exercício constante de vigilância sobre nossos pensamentos poderemos manter uma boa saúde mental que refletirá num corpo saudável também.

Fixação: (atividade obtida do livro “Educação Emocional e Intuitiva, nº 03, de Rita Foelker).

- levar duas folhas de papel Kraft. Escrever no alto de uma folha, “Pensamentos que Resolvem” e na outra “Pensamentos que não Resolvem”.
- espalhar na mesa vários balões de pensamentos feitos de papel, com frases otimistas e pessimistas. Ex: gosto de mim; tudo vai dar certo; se prestar atenção,   consigo aprender; nada dá certo pra mim; como sou burro; aquele panaca sempre implica comigo; não consigo, vou desistir, etc.
- cada criança escolhe um pensamento e decide em qual folha ele deve ser colado.
- os pensamentos devem ser colados no alto da folha para que sobre espaço embaixo.

Então, forme dois grupos e peça que cada um desenhe como é a pessoa que tem aqueles pensamentos. Peça que voltem aos seus lugares, analisem os desenhos e reflita com eles: 

- qual destes dois personagens está vivendo melhor? 
- qual destes dois necessita mais de ajuda?
- como o que está melhor poderia ajudá-lo?

Beatriz de Almeida Rezende 

A GALINHA INTRANSIGENTE



Lendo uma historinha ...

Existiu certa vez uma galinha que nunca estava satisfeita com nada. Vivia de mal com o mundo e não perdoava a menor ofensa, mesmo involuntária.
Passava o tempo a queixar-se da vida e a criticar tudo o que os animais da fazenda faziam. No terreiro, ninguém estava livre dos seus comentários.
Se um patinho se machucava, ela logo dizia:     
— Bem feito! Quem manda dona Pata deixar seus filhotes soltos por aí?
Se o cachorrinho era picado por uma abelha ao enfiar o focinho no tronco de uma árvore, ela logo exclamava com ar satisfeito:
— Teve o que merecia! Quem manda ficar enfiando o nariz onde não deve?
Se o gatinho, sem querer, entornava o prato de leite, ela reagia:
— Também com a educação que dona Gata lhe dá, só podia ser um trapalhão mesmo!
E assim ela criticava todos os animais do terreiro. E ai de alguém que lhe fizesse a mínima ofensa. Jamais teria o seu perdão. 
Certo dia, ela descuidou-se arrumando o galinheiro e não viu que um de seus pintinhos desaparecera.
Quando percebeu, ficou apavorada e saiu gritando por ele:
— Chiquinho! Chiquinho! Onde está você?                                                                               
Mas nada do Chiquinho aparecer. Perguntou para os vizinhos, para dona coruja, sempre muito esperta, e nada. Ninguém sabia dar notícias do pintinho.
Todos estavam preocupados e ajudando a procurar o filhote da galinha, até que dona Vaca lembrou-se de tê-lo visto atravessando o pasto a caminho do riacho.
Correram todos, e lá chegando ficaram surpresos e encantados com a cena que viram.
O pintinho caíra na água e, não sabendo nadar, debatera-se, ficando preso em umas plantas na outra margem do riacho que, embora estreito, não dava para alcançar.
O patinho, excelente nadador, já fizera vãos esforços para soltar o pintinho, que estava preso por uma das patas, mas ele era muito fraco e não tinha força suficiente.
O cachorrinho e o gatinho tiveram uma idéia e, nesse exato momento, a colocavam em execução.
O cachorrinho, que era o mais forte, se pendurou num galho de árvore à margem do regato e, ao mesmo tempo, segurou uma das patas do gatinho, que se esticou... esticou... esticou até conseguir agarrar o Chiquinho pelo pescoço. Depois, puxando-o com força, pode livrá-lo dos ramos que o prendiam.
Foi um alívio geral! Em pouco tempo, Chiquinho estava nos braços da mamãe Galinha, que respirava aliviada.
— Graças a Deus! Não sei como agradecer a vocês todos pela ajuda que me deram! — disse com lágrimas nos olhos.
Depois, pensando um pouco, completou envergonhada:
— E logo eu que sempre fui tão intolerante com todos! Mas, nunca mais criticarei ninguém. Nunca se sabe quando nós também vamos precisar da ajuda e do perdão dos outros. Hoje, por minha falta de atenção, meu filho quase perde a vida. Porém, em vez de me censurar, vocês me ajudaram. Quero que me perdoem tudo o que já lhes fiz, como espero que Deus me perdoe também.
E deste dia em diante, dona Galinha transformou-se numa criatura boa, paciente, tolerante e compreensiva para com as falhas do próximo e nunca mais criticou ninguém.

                                                         

Fonte: O Consolador - Revista Semanal de Divulgação Espírita
Autora: Célia Xavier Camargo

terça-feira, 11 de abril de 2017

VERDADE + MENTIRA



Objetivos: estimular as crianças a sempre falar a verdade e permitir que elas mesmas concluam as conseqüências de uma mentira

Materiais necessários: caixa de papelão, microfone (desligado), roteiro com perguntas para respostas verdade ou mentira, ficha para grupo de cças responderem às questões, folhas de sulfite com frases sobre verdade/mentira escritas em giz branco, algodão, tinta guache.

Descrição:
  • Prece inicial
  • Introdução ao tema
  • Dinâmica entrevista: faça uma entrevista usando uma televisão imaginária (uma caixa de papelão)
O evangelizador deve contar fatos (ou ser entrevistado por uma das cças) de sua vida qdo criança e as crianças (divididas em grupos) deverão anotar num papel V ou F para cada situação. Todas as afirmações serão verdadeiras. Verificar qual grupo acertou mais. Se houver interesse as cças poderão revezar na entrevistas. FECHAR : SE ALGUÉM MENTIU, POR QUE FEZ ISSO NA BRINCADEIRA, ETC ETC

Depois conversar sobre a importância de se falar a verdade. O que eles acham? È certo mentir?Perguntar se eles sabem de alguma história de mentira que acabou mal? Você conhece alguém que não diz a verdade?
É importante dizer a verdade para que o nosso relacionamento se baseia na confiança. Quando há verdade no relacionamento, nós nos sentimos seguros e amados. Mas às vezes é preciso ter coragem para contar a verdade, quando, por exemplo, alguma coisa dá errado ou quando fizemos algo que nós deveríamos ter feito.


  • Contar a história “Vermelha de Vergonha”
  • Abordar aspectos da história: mentir, ganância, trabalho honesto.
  • Distribui as folhas que aparentemente estão em branco: fazer pintura surpresa umedecendo algodão em tinta guache bem diluída e passar sobre a folha deixando-a secar. Fazer associação com a verdade: Ela sempre aparece!!!

HISTÓRIA VERMELHA DE VERGONHA - Maria Coivo Villela - Editora Àrvore da vida

Ainda estou vermelha de vergonha,
Sinto o rosto queimar,
Meu coração parece que apanha,
Preciso me acalmar,
Mas, se alguém me acompanha,
Vou minha história contar.

Tudo começou quando ganhei de presente
Uma carteira diferente.
Fiquei empolgada
Queria enche-la de trocados.

Enquanto papai o carro lavava, eu o ajudava;
Assim umas moedas sempre ganhava.
E minha carteira estufava

De repente virou mania:
Quando mais tinha, mais eu queria.
Por mais dinheiro querer
Acabei por feio fazer

Um dia, com o Lucas fui brincar
Brinquedos havia no quarto inteiro;
Mas senti sede, e água fui tomar
E vi na mesa muitas notas de dinheiro

Pensei:
Se uma dessas eu levar
Minha carteira mais cheia vai ficar
Puxei uma e no bolso escondi
E pra casa logo corri

Ao chegar, fui logo mostrando:
__Veja o que a mãe do Lucas me deu!!!
Mamãe olhou com espanto
E minha trama percebeu
Por que será que a mãe da gente
Sempre sabe quando criança mente?

___Mentira tem perna curta
E tudo o que furta
Será logo descoberto
E deixará o esperto boquiaberto

Com a mãe do Lucas, mamãe foi conversar
E num instante da verdade ficou a par;
Da mentira se certificou
E seu coração quão triste ficou!!!

Mamãe me chamou
E bem séria disse assim:
___Filha, o que não era seu você pegou
E ainda mentiu para mim

Quando papai chegou
Veio falar comigo;
Mas bravo não ficou, foi conversa de amigo:
___Filha nós não podemos mentir nem pegar as coisas dos outros. Jesus ensinou a falar a verdade sempre e assim devemos fazer.
Agora pegue este  dinheiro e vá devolver

Eu tinha de ir
Não havia saída;
A mentira eu ia admitir
E uma bronca seria merecida

Toquei a campanhia da casa do Lucas,
Devolvi o dinheiro e pedi mil desculpas,
Mas nem bem terminei de falar,
Saí correndo para não chorar

Aprendi a lição
Ainda estou vermelha de vergonha,
Sinto o rosto queimar;
Meu coração parece que apanha
Mas já posso me acalmar



RENOVAÇÃO ESPIRITUAL

Resultado de imagem para renovação espiritual espiritismo


Objetivo: Levar os evangelizando à conclusão que a única maneira de evolução é com a auto-reforma e essa mudança deverá vir de dentro para fora. E para isso devemos aproveitar todas as oportunidades presentes para apressar nosso progresso.
Bibliografia: Evangelização – Conteúdo Programático – U.E.M.; Renovando atitudes, F.C.X/Hammed; Manual prático do Espírita de Ney P.Peres.
Harmonização com música
Prece Inicial
Primeiro momento:
Desenvolver o tema questionando:
è Como fica uma casa quando se está fazendo uma reforma? Desarrumada, muita sujeira e pó, e pode fazer-nos sentir muito mal.
è Por que reformamos nossa casa?(pode significar por que ela esteja ruim e precise reformá-la ou simplesmente necessite melhorá-la, ampliá-la, torná-la mais confortável).
è Quando é necessária uma reforma na casa? (quando ela está em mal estado; é a pintura que está começando a descascar ou se encontra desbotada; descobrimos que precisamos substituir o piso, uma parede, um pedaço do teto; algumas telhas quebradas ou consertar as calhas, etc.)
Levar gravuras de casa em reforma antes e depois.
è Existem outras coisas que podemos reformar? ( escutar as respostas, até chegar “em nós”).
è Podemos sim fazer reforma exterior e interior, como seria a exterior? (mudar a cor do cabelo ou mudar o corte; lipoaspiração; plástica; roupas novas, etc.)
Levar gravuras de pessoas antes e depois de mudanças físicas.
Tudo no universo está em constante progresso, as estrelas, os mundos; a Terra está no processo de renovação de mudança, no futuro só a habitará pessoas que só praticaram o bem.
Fazer reforma interior é transformar, mudar nossa forma de pensar, sentir e agir, ou seja, é transformar sentimentos inferiores que ainda existe em nós.
Fazemos essa renovação de sentimentos é para nos libertarmos das imperfeições dos defeitos e dos vícios, para atingir a perfeição e a felicidade verdadeira, e a partir de nossa transformação, transformar toda a Humanidade.
E como fazer essa renovação interior? Analisando a nossa forma de ser, de pensar e de agir com os outros. Dispor-nos a mudar para melhor; vigiando nossas ações e a corrigindo, na escola, no trabalho, na família, com amigos e inimigos; perseverar no estudo e trabalho; orando, e com o apoio de Jesus e dos nossos anjos guardiães conseguiremos remover as dificuldades naturais, transpondo nossas barreiras. As nossas ações influenciam e muda o meio em que vivemos e as pessoas que nos relacionamos.
Vamos ver que se pode mudar para transformar o coração e sermos pessoas virtuosas?
Segundo momento: O QUE SE PODE MUDAR PARA TRANSFORMAR NOSSO CORAÇÃO -
Para nos transformar precisamos vencer dois inimigos que trazemos dentro de nós, são os defeitos e os vícios. Quando os vencemos nos tornamos em pessoas virtuosas, assim como Jesus que só tem virtudes no coração.
Os vícios são defeitos graves que torna uma pessoa dependente; é inclinação para o mal – oposto da virtude; entre outros. São aqueles hábitos sociais que parecem comuns que os adultos adquirem, mas que trazem sérios problemas orgânicos e mentais.
São vícios: Fumar; Beber; drogas; Jogo; Gula (comer).
Defeito é a imperfeição moral, é deficiência ou uma falha de comportamento, proceder no mal, são as más tendências; sentimentos ruins.
São defeitos: Orgulho e vaidade; Inveja, ciúme; Raiva, Agressividade; vingança, remorso; Egoísmo; Intolerância, impaciência; Preguiça.
E para transformar nosso coração temos as virtudes que substituem os defeitos.
Virtude é uma qualidade que sempre nos leva a praticar o bem e evitar o mal; são conjuntos dos bons sentimentos.
São virtudes: Humildade, modéstia, alegria, bom-humor, resignação, sensatez, piedade, generosidade, beneficência, doçura, compreensão, tolerância, perdão, brandura, companheirismo, renúncia, indulgência, misericórdia, paciência, dedicação, abnegação, vigilância, dedicação, devotamento.
Superamos os defeitos as más tendências exercitando o amor conosco e com o próximo.
E o melhor exemplo a seguir é Jesus (apresentar uma imagem), e seu ensinamento está no evangelho (mostrar o evangelho segundo espiritismo).
Terceiro momento: Vamos ver como é possível fazer essa transformação interior? Vou contar-lhes a história de uma menina da idade de vocês que transformou o coração, sua vida e a vida dos outros.
*A História está em marcadores: História
Quarto momento: DINÂMICAS
1. Lixo mental
Antes de realizar a dinâmica abaixo, o evangelizador, então, falará do lixo que temos “na cabeça”: aqueles pensamentos que nos atrapalham, que nos fazem sentir mal, que nos fazem infelizes e não deixam espaço pra coisas mais importantes, são resultados dos nossos defeitos como a inveja, o egoísmo, orgulho, agressividade, irritação, mágoa, e etc.
Os evangelizando serão convidados a identificarem alguns desses pensamentos em si mesmos e escrevê-los (ninguém vai ler para os outros), pedir que eles escrevam nos quadrados de papéis que forem distribuídos.
A seguir, cada evangelizando irá até o LIXO, e jogará fora o que escreveu. A proposta é que procuremos nos livrar do “lixo mental” a cada dia.
Agora que temos espaço mental, dizer que a próxima etapa é identificar os sentimentos positivos, as virtudes em nós. A proposta é perceber suas qualidades.
2. Tema: O que você gosta em você
Objetivo: Entrar em contato consigo mesmo; perceber suas qualidades.
Aplicação:
a) Dividir a turma em duplas, que se sentem frente a frente.
b) Eles devem escolher quem vai ser o "A" e que vai ser o "B". Os que forem as letras "A" s terão 1 minuto para pensar e dizer aos "B" s, aquilo que mais gostam neles. Terminando o tempo, será a vez dos "B" s dizerem aos "A" s, o que mais gostam neles.
c) Forme agora um só grupo e entregue para cada criança uma flor recortada em papel ( miolo e pétalas).
d) Peça que cada uma escreva seu nome no miolo e em cada pétala, o nome daquelas que considera as suas melhores qualidades. Vamos pintar?
e) Monte um grande mural com as flores de todos.
Fonte: 30 Atividades de Educação Emocional e Intuitiva de Rita Foelker.
ATIVIDADES DE SENSIBILIZAÇÃO
As atividades de sensibilização desenvolvidas na programação da evangelização têm como objetivos:
* levar a criança a perceber suas emoções e sentimentos, bem como suas causas;
* desenvolver a capacidade de gerar estados emocionais favoráveis ao bem estar espiritual;
* expressar o que sentem de forma precisa e eficiente;
* dominar os impulsos sem reprimi-los;
* capacitá-los para que possam perceber e compreender as emoções e sentimentos de outras pessoas;
* melhorar a comunicação entre os evangelizadores e evangelizandos ajudando-os a ajudarem a si próprios;
* auxiliar a construção do senso moral e de relacionamentos éticos

PRECE FINAL

LEITURA




SOU + FAMÍLIA

AMOR E CARIDADE PARA COM O PROXIMO

Amor e caridade para com o próximo: Dinâmicas e Atividades

ATIVIDADE INTRODUTÓRIA/ MOTIVADORA
O que é o Amor?
1) Dividir a turma em dois grandes grupos.
2) Colocar os dois grupos frente a frente, enfileirados.
3) Eleger um líder em cada grupo, que deve posicionar- se no primeiro lugar da fila.
4) Escrever em dois papéis a palavra AMOR e coloca- los em um envelope de carta, dobrado, de modo que não possa ser lido de fora para dentro.
5) Pedir que os líderes leiam em silêncio a palavra, que coloquem o envelope no c hão e que tentem expressar o significado da palavra amor em gestos, olhares, etc ., sem abrir a boca.
6) Ambos os grupos tentam adivinhar...
7) Tudo em silêncio absoluto.
8) Quando algum evangelizando achar que já descobriu, ir até a Evangelizadora e cochichar em seu ouvido.
9) Confirmando que houve a certo, o evangelizando que acertou deve ficar a lado do líder e tentar, junto com ele expressar o conteúdo da palavra.
10) Continuar até que três crianças fiquem em frente a cada grupo (ou até que o tempo esteja esgotado).
11) Ao final, combinar que todos os que estão na frente digam, em alto e bom som, a palavra AMOR!

SUGESTÃO DE ATIVIDADE  - O Amor em Colagem
Objetivo:
Permitir a pesquisa e colagem de fotografias ou imagens que expressem o Amor em suas várias expressões.
Procedimentos:
a) Dividir a turma em 3 ou 4 grupos.
b) Distribuir cartolinas, revistas, tesouras e colas com os grupos.
c) Pedir que cada grupo escolha fotografias ou imagens que expressem o Amor em suas várias expressões.
d) Em grande grupo, abrir espaço para que os grupos apresentem o resultado de seu trabalho.
Obs: Cuidado com o tipo de revistas ou materiais que serão levados para a sala. Não utilizar materiais que possam ter cenas inadequadas, como cenas de violência.
Sugestões:
. Colocar em uma caixa vários objetos: boneca, colher, óculos, urso de pelúcia, foto de uma família, caderno, uma planta, etc . Cada aluno tira um objeto e fala sobre caridade e amor, relacionando o tema ao objeto.
Boneca: irmão menor, os colegas;
Caderno:como ser caridoso em sala de aula;
Planta: amor à natureza;
. Desenhar em uma folha de papel, em tamanho pequeno, alguém com quem devemos ser caridosos. Dobrar ao meio o desenho, e depois várias vezes o papel, como uma sanfona; recortar contornando o desenho. Ao desdobrar surgem várias pessoas de mãos dadas. Pintar as várias pessoas com quem devemos manifestar amor e caridade.
(fonte: GRUPO ESPÍRITA SEARA DO MESTRE - http://www.searadomestre.com.br)

Jogo: Fichinhas do amor
Dividir a sala em equipes e fazer perguntas sobre a aula. Quem acertar ganha uma fichinha.
A fichinha é um envelopinho com uma letra da frase: “Amai- vos uns aos outros”.
Fazer o número de jogos de envelopinhos equivalente ao número de grupos que pretende formar. Se dividir a sala em 03 grupos fazer 03 jogos de frases de modo que cada grupo possua uma frase completa (identificar os envelopinhos com cores e números). O vencedor é a equipe que primeiro conseguir todos os envelopes e montar a frase.


AVALIAÇÃO/FIXAÇÃO:
No centro da sala, um vaso com flores de cartolina. Em cada uma, uma balinha colada e uma
Pergunta/ tarefa/ surpresa. Cada um deve apanhar uma e oferecer a um amiguinho.
Perguntas:
- Qual o tema da aula?
- A quem devemos amar?
- Recite um poema
- Você deu sorte! Sem perguntas!
- Quando ajudamos alguém devemos contar pra todo mundo?
- Faça uma mímica sobre amor.
- Como podemos ajudar um idoso?
- É difícil ajudar quem nos fez algum mal?
- Alguém já viu alguém necessitando de ajuda e o ajudou? Conte como foi.
- Quem foi o maior exemplo de amor ao próximo que conhecemos?
- Devemos amar os inimigos que nos magoam?


Caixa de correio:
Uma caixa de correio: as crianças poderiam escrever cartas anônimas, perguntando, tirando dúvidas, ou contando alguma vez que deixaram de ter amor ao próximo.
Explicar que seria sigiloso, apenas o caso analisado e não a criança;
(enviado por Adriana – participante sala evangelize CVDEE)

Brincadeira: NÃO DESEJE AO SEU PRÓXIMO O QUE VOCÊ NÃO DESEJA PARA VOCÊ"
01) Distribua pedaços de papel para todos e peça para que cada um escolha um colega e escreva o nome dele e o que gostaria de ver ele fazendo , por exemplo: imitando um animal, pedindo esmola, beijando a/o evangelizador, etc . (dar sugestões, mas deixar as crianças também colocar seus próprios desejos no papel)
02) Assim que todos entregarem seus papéis , o evangelizador deverá dizer : - Ah! Eu não falei o nome desta brincadeira , não é? Ela se chama Não deseje ao seu próximo o que você não deseja para você!
03) Começa a brincadeira: Quem desejou , irá fazer, na frente de todos os colegas, aquilo que havia desejado para o colega.
04) Após todas as apresentações, conversar com as crianças sobre a necessidade de ajudarmos, de sermos solidários, de sermos amigos; uma vez que não estamos livres daquela situação que hoje pode estar acontecendo com o outro, mas amanhã poderemos ser nós próprios quem vivenciaremos tal situação.

DINÂMICA:
OBJETIVO: Mostrar a importância de procurarmos ajudar o nosso próximo.
TEMPO DE DURAÇÃO: 10 minutos
MATERIAL NECESSÁRIO: Balões
DESENVOLVIMENTO: Organizar os jovens formando um grande círculo na sala e entregar um balão para cada um. Em seguida, o educador pedirá que os jovens encham os balões e que joguem para o ar durante 1 minuto. Nenhum balão pode cair no chão. Os jovens deverão perceber que devem cuidar do balão dos outros também. Ao final, perguntar se foi necessário ajudar o outro com o seu balão e se alguém ajudou a cuidar do seu. Perguntar se seria possível não deixar os balões caírem se não fosse pela ajuda de todos.