quinta-feira, 21 de abril de 2011

JESUS NOSSO MESTRE I



OBJETIVO: apresentar Jesus como nosso mestre, pois veio ao mundo nos ensinar a seguirmos as Leis de Deus.

- Jesus veio ao mundo para ensinar aos homens a serem bons, e portanto ele é o nosso mestre, porque mestre é aquele que ensina.
- Ele contava histórias (Parábolas) para que todos entendessem a Lei de Deus.
- Exemplo de histórias que ele contava:
“a ovelha desgarrada” (enfatize que todos podemos ajudar, sendo solidários, sejamos pobres ou ricos, não importando a nossa idade, e as nossas condições materias).
- Pergunte as crianças, se ajudam em casa, se ajudam colegas na escola, etc..
- Converse sobre a necessidade de ajudar em casa para facilitar a vida da família, guardando a sua roupinha, não deixando as suas coisinhas espalhadas pela casa, etc.
- Relembre ( conforme ja foi dito em uma aula anterior) a eles que Jesus ainda criança ajudava o seu pai, José, que era carpinteiro.
- Fale da importância de ajudar na escola, respeitando ao professor, auxiliando aos amiguinhos quando necessitarem, se um cair, ajude-o a levantar, etc.
- Fale de ajudar a cidade não jogando lixo no chão., etc.

Jesus Nosso Mestre II

OBJETIVO: apresentar Jesus como nosso mestre, pois veio ao mundo nos ensinar a seguirmos as Leis de Deus. Mostrar que a humildade é um dos ensinamentos de Jesus muito importante para que vivamos melhor.
- Jesus nos ensina que a humildade é condição essencial para a felicidade.
- Apresentar o hospital da floresta às crianças, onde bichinhos de brinquedo serão os pacientes, e as crianças serão os médicos e enfermeiros que irão socorrer e tratar dos pacientes.
-Uma mesa poderá ser o hospital, onde deverá ter um paninho onde serão colocados os animais.
- As crianças inicialmente deverão estar junto ao hospital.
-Colocar os bichinhos num outro local da sala.
- Traçar um caminho, de papel, do hospital até os animais com pegadas dos bichinhos. Prender este caminho no chão com durex, ligando o hospital ao local onde estão os bichinhos.
- A um sinal do evangelizador, os “funcionários do hospital” deverão socorrer os “pacientes/acidentados”. A cada sinal, duplas irão caminhando apenas sobre as pegadas no chão, pegam o paciente, e deverão retornar pelas pegadas do caminho, sem deixar o paciente cair. As crianças podem improvisar as macas, com por exemplo, folhas de papel.
- Interromper momentaneamente a atividade, e contar uma história que aconteceu naquele hospital: “A ENFERMEIRA DA FLORESTA

Conversar sobre a história com as crianças.
- Retomar a atividade do Hospital da Floresta, dizendo que lá há vários bichinhos doentes e que elas foram escolhidas para cuidar deles, como fez a enfermeira Joaninha. Deixar as crianças brincarem livremente de tratar dos animais. Com isto reforça-se o conceito de solidariedade, bondade e gentileza.

A ENFERMEIRA DA FLORESTA

A vida lá na floresta é movimento todo o dia, de trabalho e alegria, da coruja elegante, ao pesado elefante.Toda manhã, tão faceira, lá vai a linda Joaninha! E bem na casa vizinha Mora uma velha toupeira, que pensa maliciosa:“Como é prosa a Joaninha Vestida toda de rosa. Onde irá essa orgulhosa?!...
”Um dia, fez-lhe a pergunta:– P’ra onde vai, Joaninha todo dia a mesma hora?Vai tomar chá com as amigas e jogar conversa fora?
Diz a gentil, Joaninha: - Tem razão, minha vizinha -As amigas já me esperam, tenho pressa, tenho pressa! E as línguas faladeiras não cansavam de dizer:– Lá vai Joaninha orgulhosa, muito prosa, toda de rosa! A vizinha não sabia é que a linda Joaninha,tão arrumada e meiguinha, era a melhor enfermeira que na floresta vivia.E por ser muito discreta sua ajuda era secreta.
Um dia a vizinha - coitada! -Sempre tão desastrada para vigiar a Joaninha subiu e... caiu da escada! Ficou muito machucada, foi levada para o hospital. Chorava que dava dó, dizendo que estava mal.
Disse então, Dr. Lobão: –Não chore, minha senhora, temos boa enfermeira que atende a semana inteira e sem cobrar um tostão, só com o amor do coração! Qual não foi sua surpresa quando chegou a enfermeira. Era a nossa Joaninha alegre e trabalhadeira e a vizinha constrangida, falava bem comovida:–Achei que eras orgulhosa, mas és humilde e bondosa.
A Joaninha, sorridente, falou, assim, bem contente:– Não pense mais nisso agora, vou cuidar bem da senhora.
Quando da perna cuidava a boa Joaninha ensinava: –Vivamos com humildade Buscando a
felicidade.

fonte - Lar Fabiano de Cristo

Nenhum comentário:

Postar um comentário