quarta-feira, 10 de março de 2010

DEUS















Num dia de muita chuva, Paulinho voltava depressa para casa todo ensopado, pensando alegre: - Como a chuva é friazinha! ... e parou um instante para sentir os pingos leves a lhe baterem no rosto.
Chegando em casa, o menino foi logo gritando para a mamãe: - Mãe estou todo molhado. Ontem o dia estava tão bonito e hoje tem essa chuva toda. Para que serve a chuva? Molha a gente ... molha tudo!
A mamãe tirando depressa o capote molhado e os sapatos de Paulinho sorriu e respondeu: - A chuva serve para tanta coisa querido. Ela ajuda as plantas a crescerem, refresca o ar quando faz calor, aumenta a água dos riachos onde vivem os peixinhos, onde os animais bebem ... a chuva faz tanta coisa boa.
No outro dia já não chovia e o sol surgiu quente e brilhante: Que manhã maravilhosa! À tarde, Paulinho foi passear com sua irmã Lúcia num morro perto de casa. Como estava lindo o lugar. Todo verdinho, coberto de flores... e os passarinhos? Passeavam voando, felizes e com gritinhos, pareciam conversando. Paulinho corria de um lado para outro e, em certo momento levantando a cabeça, disse: - Lucinha, olhe quanto passarinho! Porque eles voam e nós não voamos?
- Ora Paulinho, disse a menina. Porque eles tem asas e nós não. – Pois eu queria voar, disse o menino. E continuou a brincar.
- Lucinha, olha que bichinho preto que pula! o menino tentou pega –lo, mas o grilo pulava cada vez mais, como se tivesse mola nas pernas. E Paulinho corria, corria. Parou encantado junto a uma árvore mais baixa onde havia um ninho de passarinhos. Dois filhotinhos!
Os dois irmãos brincavam bastante. Quanta coisa, ainda Paulinho viu! Um coelhinho assustado correndo, nuvens que formavam desenhos no céu com navios, castelos que logo o vento desmanchava.
Quando Lúcia cansada sentou – se no chão, Paulinho apanhou muitas flores e jogou – as no colo da irmã, dizendo: São para a mamãe!
A tarde já acabava, quando os dois meninos voltavam para casa, conversando. Paulinho vendo uma vaca com seu bezerrinho, perguntou a irmã: - Lucinha porque o bezerrinho não come capim?
- Porque ele é pequenino, é filhote ainda. Só toma leite da vaquinha. Paulinho continuou a andar caladinho... de repente, voltou – se para a irmã, perguntando: - Lucinha, porque existem a vaca e o bezerrinho? Quem fez eles? – mamãe disse que foi DEUS. Disse Lúcia.
Quando Paulinho chegou em casa, correu alegre para a mamãe. Mãezinha eu vi tanta coisa hoje! Flores, passarinhos, a vaquinha...Lucinha disse que foi Deus quem fez a vaquinha... a mãe o abraçou e respondeu:
- Foi ele sim, meu filho. Foi ele quem fez todas as coisas boas e belas que você viu hoje. Ele fez os animais, as frutas gostosas, o sol, o mar, as árvores, e nós também. Por isso é chamado de pai! Nosso pai!
Depois do café, Paulinho de vez em quando recordava o que a mãe tinha dito. E a noite, antes de dormir, ele foi ao quarto de Lucinha, parar dar –lhe boa noite. A irmãzinha estava sentada na cama olhando o céu pela janela. Que noite linda! Estrelas, uma lua cheia, tudo muito claro. O menino parou também, para olhar e, de repente, voltou – se para a irmã. – Lucinha foi deus quem fez também o céu, a lua e as estrelas? – sim ela respondeu. Deus fez tudo. E Paulinho voltando a janela muito feliz, exclamou: - Obrigado Deus porque você fez tanta coisa boa e bonita. Muito obrigado, DEUS.

Perguntas
1. O que a mamãe falou com Paulinho sobre a chuva?
2. O que Paulinho levou do passeio para mamãe?
3. O que Paulinho perguntou a mãe quando chegou do passeio?
4. O que Paulinho disse quando foi dormir?

Em seguida passar a música DEUS

Nenhum comentário:

Postar um comentário